MITOLOGIA

A justiça da Deusa Thêmis


O coração de Zeus(Ζεύς) palpitava pelas deusas do Olimpo. Com a mesma emoção com que amara Métis(Μῆτις), amou também Thêmis(Θέμις), a deusa da Lei, e Leto(Λητώ), a filha de Céus e Febe e, finalmente, casou-se com Hera(Ἥρα) que, de presente de casamento, recebeu de Gaia magníficas maçãs de ouro. Hera tornou-se logo a protetora e defensora dos esposos e passou a perseguir implacavelmente as amantes e filhos de Zeus.

Quando ainda criança, foi Thêmis(Θέμις) foi entregue por Gaia, aos cuidados de Nix(Νύξ), que acabara de gerar Nêmesis(Νέμεσις). O objetivo de Gaia, era proteger Thêmis do enlouquecimento de Urano. Porém Nix estava cansada, pois gerara incessantemente seus filhos. Então Nix entrega sua filha Nêmesis, e a sobrinha Thêmis aos cuidados de suas mais velhas filhas, as Deusas Moiras(Μοῖραι), as quais eram Cloto(Κλωθώ), Laquésis(Λάχεσις) e Atropos(Ἄτροπος).

As Moiras criaram as duas deusas infantes, e lhes ensinaram tudo sobre a ordem cósmica e natural das coisas; e a importância de zelar pelo equilíbrio. As Moiras eram as Deusas do destino, tanto dos homens, quanto dos Deuses e suas decisões não podiam ser transgredidas por ninguém, sempre prontas e fazerem cumprir os desígnios de cada um, mesmo que fosse entregá-los às Queres, filhas de Nix, carrascos que sobrevoavam os campos de batalha. Desta criação, vimos a origem das semelhanças das duas lindas e poderosas deusas criadas como irmãs: Têmis, a Deusa da justiça, e Nêmesis, a Deusa da retribuição.

Logo Zeus encantou-se com Thêmis e com ela engendrou as Horas(Ὧραι), divindades da Natureza, que passaram a presidir o ciclo das estações, assegurando o equilíbrio da vida. Gerou também a virgem Astréia(Ἀστραῖα), personificação da Justiça, e as Ninfas do Erídano.

Uma vez, em meio a uma crise de ciúme, Hera explodiu:

— Você fez filhos que comandam o destino e que deixam arrastar os mortos do campo de batalha para as mais sombrias moradas! E para que isto? Pretende que os deuses se tornem mortais ou que se curvem aos desígnios do destino?

E Zeus, sem se abalar, respondeu:

— Não os deuses, mas sim os Homens.

Hera espantou-se.

— Os Homens! Mas eles também são imortais!

Zeus esboçou um leve sorriso.

— Por enquanto, minha amada esposa, por enquanto. Vejo-os aumentarem em número e povoarem os bosques e montanhas. Mas jamais poderão se igualar aos deuses. Eles são fracos e por isso um dia serão mortais. E, nesse dia, as Horas farão realizar neles o Destino e as Queres sobrevoarão os campos de batalha com seus dentes afiados e compridas garras, dilacerarão os cadáveres, beberão o sangue dos mortos e os arrastarão para as negras profundezas. Mas não poderão dizer que fui injusto, pois Astréia, a virgem minha filha, difundirá entre eles a justiça e a virtude. Assim, terão a oportunidade de vislumbrar o caminho certo.

Hera olhou-o fixamente.

— Por que odeia tanto os Homens?

— Não os odeio, minha querida. Apenas sei que no mundo dos deuses não há lugar para os Homens. Eles são fracos. Não possuem vontade forte e nem consciência dos seus atos. Falta-lhes uma estrutura interior capaz de dar-lhes determinação. E não têm a capacidade de se projetarem ao espaço, de mergulharem no Todo e de absorverem do grande Espírito a sabedoria necessária para orientarem seus passos no mundo físico.

— Mas eles são apenas Homens! Tudo o que disse são atributos dos deuses!

— Sim — concordou Zeus — e, como Homens, portanto, são fracos. E no mundo não há lugar para os fracos. A fraqueza tende à destruição, à degradação. E isto não cabe num universo que se expande e evolui!...

Fonte: Olimpo - A Saga dos Deuses
Emmanuel Mourão - Mitologia grega ao alcance de todos.

Foto: Genzoman
Mitologia - OpenBrasil.org

Postagens mais visitadas